Autora: Patrícia Galeão – Mentora no 1.º ano do Programa de Desenvolvimento de Liderança

Em outubro senti que foi o iniciar desta grande caminhada como mentora da Teach For Portugal! Estou grata pela oportunidade de me cruzar com pessoas especiais e por fazer este caminho cheia de aliados.

Depois do Instituto de Verão, fui alocada à Escola Básica do Olival já no fim de setembro para começar este caminho de colaboração. Desde então, tenho vindo a construir uma relação incrível com a minha professora-mentora e sinto que, a cada dia que passa, fica mais forte. Sendo ainda os primeiros passos, não podia ficar mais satisfeita, motivada e empolgada cada vez que entro na escola!

Um dos exemplos dessa relação ocorreu a uma sexta-feira quando, juntas, preparamos uma dinâmica para os alunos. Foi-me dada a oportunidade de liderá-la em sala, na aula dedicada ao Reforço de Direção de Turma com os nossos alunos de 7.º ano.

Acreditamos que seria muito importante trabalhar com eles a cultura de sala de aula, a consciencialização do eu, a partilha em grupo e potenciar a relação professor-aluno.

À entrada da sala de aula, foi-lhes apresentado o desafio, formado por vários passos. À medida que iam entrando, recebiam a 1.ª regra “Manter em silêncio até novas instruções”. Quisemos aqui reforçar a importância de um início calmo, para preparar a mente para a aprendizagem. Não só para aplicar naquela aula, mas para ajudarmos os restantes professores.

De seguida, foi entregue um “tangram” para refletirem sobrem várias questões, tais como:

  • Que sonhos tenho?
  • Se pudesse definir um objetivo para mim, este ano, qual seria?
  • O que me faz ficar interessado numa aula?
  • O que me faz ficar aborrecido numa aula?
  • Qual a minha disciplina favorita? Porquê?
  • Quando estou mais chateado, o que me acalma?
  • Como me sinto no início deste ano?

 

Foram 25 minutos de reflexão, 24 alunos em silêncio…

Escreveram, apagaram e voltaram a escrever… envolvidos e empolgados… outros emocionados e outros tantos preocupados com essa mesma emoção. Eu e a professora Ana estávamos maravilhadas a assistir.

Demos ainda abertura à partilha, sem julgamento, num espaço seguro onde todos tiveram a oportunidade de revelar as suas ideias e opiniões. Debatemos em pequenos grupos alguns assuntos que deram origem a partilhas inspiradoras, corajosas, gratificantes e com grande espírito de união.

O último passo do desafio chega finalmente: escrever num post-it a resposta à pergunta “como me senti com esta dinâmica?”. Todos colaram na porta à saída, conseguindo assim, chegar a todos, mesmo até aqueles que não participaram da partilha em grupo. Esta dinâmica permitiu aceder ao sentimento de cada um, revelando respostas extraordinárias, tais como:

“Eu senti-me estranho porque estive a partilhar coisas sobre mim”;

“Eu gostei porque desta forma exprimimos os nossos sentimentos em relação às aulas”;

“Bem mas senti-me nervosa porque não gosto de falar sobre mim em público”;

“Eu senti-me bem pois refleti sobre algumas coisas que nunca refleti, fez me pensar e eu adorei!;

“Eu senti-me bem porque disse o que sentia sem medo”;

“Bem, porque finalmente me ouviram e também senti feliz por partilhar as minhas opiniões”.

A escola é também um espaço de conhecimento, do eu e do outro, onde se desmistifica os medos, as emoções e onde podemos nos tornar mais fortes… juntos!

 

Conhecer os mentores aqui.